O presidente Jair Bolsonaro disse em sua conta no Twitter nesta quinta-feira, 5, que é preciso preservar o teto de gastos. "Temos que preservar a Emenda do Teto. Devemos sim, reduzir despesas, combater fraudes e desperdícios. Ceder ao teto é abrir uma rachadura no casco do transatlântico. O Brasil vai dar certo. Parabéns a nossos ministros pelo apoio às medidas econômicas do Paulo Guedes."

Na quarta-feira, 4, ele provocou incertezas no mercado ao sinalizar que poderia apoiar a proposta que flexibiliza a regra do teto de gastos, defendida pela Casa Civil e pelo comando das Forças Armadas, sob argumento de que o corte de gastos poderá provocar um apagão nos ministérios e órgãos do governo, incluindo, nas palavras do próprio presidente, o corte de luz nos quartéis.

Temos que preservar a Emenda do Teto. Devemos sim, reduzir despesas, combater fraudes e desperdícios. Ceder ao teto é abrir uma rachadura no casco do transatlântico. O Brasil vai dar certo. Parabéns a nossos ministros pelo apoio às medidas econômicas do Paulo Guedes.

— Jair M. Bolsonaro (@jairbolsonaro) September 5, 2019

Agora, Bolsonaro vai na linha dos que defendem a manutenção da regra, que proíbe que as despesas cresçam em ritmo superior à inflação, o que pode ameaçar a estabilidade fiscal.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), também disse ser contrário à flexibilização, dizendo que "o teto de gastos está sólido" e que não adianta aumentar gasto se não reduzir a despesa". "É besteira. Vai ter de aumentar imposto. O que está pressionando o teto é inflação baixa e indexação do Orçamento. Então é isso que tem de resolver", afirmou na quarta.

Em resposta a Maia, o porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros, disse que o governo Bolsonaro não vai mais exigir impostos da sociedade e estuda medidas, que estão sendo elaboradas pela equipe de Paulo Guedes, para deliberar sobre qual ajuste fará na regra criada no governo do ex-presidente Michel Temer, em 2016.


Via Estadão Conteúdo. 

Dê sua opinião: