O ministro Sérgio Moro orientou investigações da operação Lava Jato quando exercia o cargo de juiz federal em Curitiba. É o que aponta uma série de diálogos vazados pelo site The Intercept. As mensagens foram trocadas através do aplicativo Telegram com o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato.

Moro sugeriu ao procurador pra trocar a ordem de fases de operações da Lava Jato, deu conselhos e pistas informais de investigação e antecipou uma decisão que ainda daria. Ele criticou e sugeriu recursos ao Ministério Público.

O Ministério Público Federal do Paraná confirmou em nota que houve vazamento de mensagens de procuradores após um ataque hacker. Segundo o órgão, as mensagens não mostram nenhuma ilegalidade. O site garante que recebeu os dados antes do suposto ataque hacker ao celular de Moro.

A Constituição de 1988 determina que não haja vínculos entre o juiz e as partes em um processo judicial. Para que haja isenção, o juiz e a parte acusadora –neste caso, o Ministério Público– não devem trocar informações nem atuar fora de audiências na Justiça.


Leia matérias no The Intercept

Exclusivo: chats privados revelam colaboração proibida de Sérgio Moro com Deltan Dallagnol na Lava Jato

Exclusivo: Procuradores da Lava Jato tramaram em segredo para impedir entrevista de Lula antes das eleições por medo de que ajudasse a ‘eleger o Haddad’

Exclusivo: Deltan Dallagnol duvidava das provas contra Lula e de propina da Petrobras horas antes da denúncia do triplex

Dê sua opinião: