No início da tarde desta terça-feira (3), o secretário de Estado da Saúde, Florentino Neto, se reuniu com a diretora de Gestão Interna da Secretaria de Segurança Pública, delegada Anamelka Cadena; a presidente do Centro Débora Mesquita, Késia Mesquita; membros da Gerência de Atenção à Saúde Mental da Sesapi e da Polícia Militar. O encontro serviu para dar início aos trabalhos do Plano de Enfrentamento ao Suicídio dos quais fazem parte as secretarias de Saúde e Segurança Pública, PM, Centro Débora Mesquita, entre outras instituições.

Florentino Neto reforçou a importância do trabalho integrado para executar o Plano. 

“Hoje, nós discutimos sobre as oficinas de capacitação de profissionais das quais vão participar tanto os profissionais de Saúde, como também das polícias civil e militar para que todos estejamos mais capacitados para atuar em momentos que envolvam a prevenção do suicídio”, explicou o secretário.

O gestor acrescenta que a atuação conjunta entre a sociedade civil organizada, entidades religiosas e órgãos do governo pode melhorar e fazer evoluir, cada vez mais, a efetividade do Plano de Prevenção ao Suicídio.

A delegada Anamelka Cadena apontou que a campanha do Setembro Amarelo é de suma importância para a população ao tratar da delicada temática do suicídio. 

A capacitação e o aperfeiçoamento dos profissionais para lidar com essa temática e recepcionar da forma mais adequada os casos que chegarem até eles permitirá um atendimento mais humanizado e efetivo para a população que lida com esse problema tão delicado. Essa capacitação fará a diferença no que se refere ao enfrentamento ao suicídio”, avaliou.

Késia Mesquita, que atua há sete anos no enfrentamento ao suicídio e apoio à população, fala que a proposta de um trabalho integrado entre diversos órgãos do município no enfrentamento e prevenção do suicídio só traz pontos positivos para a comunidade. 

“É importante perceber que esta é uma questão onde todos precisam estar unidos e é muito bom ver o secretário de Saúde com essa preocupação de lançar um plano a longo prazo, com um passo de cada vez, capacitando os profissionais para só então receber as pessoas que sofrem com depressão com cuidado especializado com o intuito de reduzir os índices de suicídio”, elogiou.

Dê sua opinião: