Pela nona vez seguida, o Banco Central (BC) decidiu não alterar os juros básicos da economia brasileira e manteve a Selic em 6,5% ao ano. A decisão já era esperada pelo mercado. O Boletim Focus prevê que a Selic permaneça neste mesmo patamar, que já é o mais baixo da história, pelo menos até o final do ano.

Breve histórico

De outubro de 2012 a abril de 2013, a taxa foi mantida em 7,25% ao ano e passou a ser reajustada gradualmente até alcançar 14,25% ao ano em julho de 2015. Em outubro de 2016, o Copom voltou a reduzir os juros básicos da economia até que a taxa chegasse a 6,5% ao ano em março de 2018.

Inflação controlada

A Selic é o principal instrumento do Banco Central para manter sob controle a inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Em março, o indicador fechou em 4,58% no acumulado de 12 meses. O índice subiu pressionado por alimentos e transportes. O IPCA de abril só será divulgado em 10 de maio.

Para 2019, o Conselho Monetário Nacional (CMN) estabeleceu meta de inflação de 4,25%, com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual. O IPCA, portanto, não poderá superar 5,75% neste ano nem ficar abaixo de 2,75%. 

Crédito mais barato
A redução da taxa Selic estimula a economia porque juros menores barateiam o crédito e incentivam a produção e o consumo em um cenário de baixa atividade econômica. De acordo com a previsão do Focus, o PIB deve crescer abaixo de 2% neste ano.

Dê sua opinião: