A deputada Teresa Britto (PV) afirmou hoje (30) que a sua eleição não teve a ajuda de nenhum padrinho político, pois não teve apoio de governador, de deputado federal, de prefeito ou de secretário. A parlamentar respondeu também à vice-governadora Regina Sousa, que teria dito em uma entrevista que a oposição está fazendo palanque político com as denúncias de mau atendimento na saúde pública estadual.

“A vice-governadora nunca teve um voto, ganhou um mandato de senadora de graça, pois era suplente. Agora é vice sem voto, pois pegou carona na campanha de Wellington Dias, que é reconhecidamente uma liderança popular no Piauí”, disse.

A oradora afirmou que não está fazendo palanque político, como acusou Regina Sousa; que não está em campanha eleitoral;e que a eleição só vai acontecer daqui a quatro anos.

“Queria pedir à vice que pense antes de falar, que saia da sua zona de conforto e vá aos hospitais ver o sofrimento do povo, que se importe com o sofrimento do povo e que os governistas não tentem calar a nossa voz, pois vamos exercer o mandato que o povo nos deu com altivez, com toda a força, como sempre fizemos”, assegurou.

Teresa Britto também garantiu seguir o cronograma de visitas a todos os hospitais, como já ocorreu em Floriano e Picos, onde as unidades de saúde tem estrutura de campanha de guerra e os sucessivos governos dos últimos 30 anos não tiveram a preocupação de melhorar as suas instalações.

“Eles tem uma dívida muito grande com o povo do Piauí. A dívida de Wellington Dias é maior porque ele está no quarto mandato. Todos os hospitais regionais tem que ter resolutividade em todas as áreas. O atendimento de urgência tem que ser feito em menos de 10 minutos sob o risco do paciente morrer ou ficar com seqüelas”, afirmou.

Para a deputada, a visita a Floriano já está produzindo resultados pois foram adquiridos colchonetes e lençóis e os médicos devem ser pagos ainda hoje. No entanto, muitos outros problemas continuam negligenciados.

“Estamos terminando o relatório das visitas e vamos encaminhar ao Ministério da Saúde, ao secretário de Saúde, ao Conselho Regional de Medicina, ao Tribunal de Contas e ao Ministério Público com todos os problemas dos hospitais”, frisou.

Teresa Britto disse também que vai cobrar dos prefeitos mais ações. Ela acha que Picos e Floriano já deveriam ter as suas Unidades Pronto Atendimento (UPA) e os prefeitos é que são responsáveis pela sua instalação, embora as obras já tenham sido iniciadas.

“O prefeito de Picos, inclusive, é do partido do governador. O de Floriano tem seus deputados estaduais e federais. Pois vão atrás dos recursos, façam a sua parte, pois saúde é obrigação dos governos federal, estadual e municipal”, afirmou.

Dê sua opinião: