O governador Wellington Dias e o ministro da Integração Nacional, Pádua Andrade, visitara, neste domingo (15), a Barragem do Bezerro, em José de Freitas. Na oportunidade, eles acompanharam a situação de famílias que estão alojadas no Caic do município. Desde o dia oito deste mês, a barragem vem sendo monitorada por causa de uma ameaça de rompimento, que já foi descartada ao longo da semana depois da execução de trabalhos integrados de forças municipais, estaduais e federais.

Na visita, o ministro garantiu que, nos próximos dez dias, devem chegar kits humanitários para ajuda emergencial às famílias atingidas pelas chuvas no estado.

“Estamos aqui para fazer esta travessia junto com o Governo do Estado e prestar nossa solidariedade fazendo o papel que cabe ao governo federal. Nos próximos dias, as famílias afetadas devem receber kits para ajuda emergencial. Nosso primeiro objetivo é oferecer assistência aos piauienses”, afirmou Pádua Andrade.

O ministro anunciou ainda que, nesta terça-feira (17), haverá, em Brasília, uma reunião técnica com representantes do Governo do Piauí e da bancada federal. O encontro será para definir a liberação de recursos para restauração de barragens e estradas afetadas com o aumento do volume de água das chuvas.

A deputada federal Rejane Dias confirmou a reunião e também solicitou providências junto ao Ministério da Integração por meio de requerimento durante a semana. 

“A bancada federal está acompanhando tudo o que está acontecendo e tomando as devidas providências", disse a gestora.

O Senador Ciro Nogueira também esteve presente nas visitas.

Atendimento às famílias

Durante a passagem pelo Caic de José de Freitas, onde há famílias alojadas, o governador reforçou o compromisso com a situação. 

“Estamos aqui visitando essas pessoas e prestando nossa solidariedade. Nossas equipes estão trabalhando intensamente para minimizar os efeitos das chuvas. O próximo passo, depois destas ações emergenciais, será o trabalho de reparação dos danos, para que todos possam voltar para casa em segurança”, afirmou Wellington.

Pelo menos 17 mil pessoas foram atingidas pelas cheias em todo Piauí, principalmente nas cidades de Campo Maior, Piracuruca, Miguel Alves, Barras, Batalha, Esperantina, Madeiro, Joca Marques, Luzilândia, Buriti dos Lopes, Lagoa Alegre, Cabeceiras, Pimenteiras, Matias Olímpio, Teresina e União.

Sobre a situação atual da Barragem do Bezerro, o diretor do Idepi, Geraldo Magela, garantiu segurança. 

“Há sete dias iniciamos o trabalho para rebaixar o nível do sangradouro e diminuir o volume de água. Conseguimos cessar a infiltração e restaurar o local. Agora vamos partir para a restauração de toda barragem e assim oferecer maior tranquilidade para a população”, disse o gestor.

Segundo a dona de casa Maria Deusimar, 77 anos, moradora da região da barragem, ela e a família estão recebendo cuidados e assistência. 

“Saímos de casa antes do alagamento, fomos retirados por precaução e abrigados aqui no Caic. Estamos todos bem e recebendo o que precisamos por enquanto”, afirmou Deusimar, que está alojada com mais cinco membros de sua família e aguardam o momento certo para retornar à casa que teve um princípio de alagamento e foram retirados pelas equipes de busca e salvamento.

O coronel Carlos Frederico, comandante do Corpo de Bombeiros, fez uma rápida apresentação sobre o trabalho que vem sendo realizado pelo Estado. Fez um alerta para a Barragem Joaquim Mendes, em Conceição do Canindé, e para a Barragem do Emparedado, em Campo Maior. O projeto de restauração da Barragem Joaquim Mendes já está pronto no Idepi. Quanto à Barragem do Emparedado, ela já está no seu volume máximo, mas já possui projeto de revitalização em fase de licitação também no Idepi.

Campo Maior

Em Campo Maior, a comitiva visitou famílias na Diocese e na Escola Municipal José Neves. Lá, o governador, ministro e representantes de outras instituições ouviram as famílias que estão abrigadas. 

“Estamos fazendo um mapeamento do município e das pessoas que foram atingidas para que possamos atendê-las. A vida dessas autoridades hoje, nos dá um pouco mais de tranquilidade e acreditamos que seremos atendidos”, disse o prefeito de Campo Maior, José de Ribamar Carvalho.

As equipes da Defesa Civil, Corpo de Bombeiras, entre outras que estão integradas, continuam o monitoramento em todas as cidades onde ainda existe o risco de alagamento e que necessite de busca e salvamento.

Segundo a gerente de Hidrometeorologia da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semar), Sônia Feitosa, a previsão para os próximos dias é de que as chuvas deem uma trégua e o tempo fique mais estável.

Dê sua opinião: