O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, esteve em Teresina na sexta-feira (7) e anunciou liberação de recursos para o contorno rodoviário da capital e para uma ponte ligando os municípios de Santa Filomena, no Piauí, e Alto do Parnaíba, no Maranhão.

Segundo o ministro, as obras se constituem de grande importância, uma vez que em Teresina, o serviço vai garantir maior fluidez no trânsito, e em relação à ponte, vai melhorar as atividades do agronegócio. O ministro foi recebido pelo governador Wellington Dias, pelo prefeito Firmino Filho, e estava acompanhado de parlamentares piauienses.

Os senadores Elmano Ferrer (Podemos-PI), Ciro Nogueira (PP-PI) e Marcelo Castro (MDB-PI), bem como o deputado federal Marcos Aurélio (MDB-PI) falaram da importância dessas obras para o desenvolvimento do Estado e do trabalho conjunto de toda a bancada federal piauiense em prol do Piauí.

O prefeito Firmino Filho falou da importância da execução do contorno rodoviário para a mobilidade da capital. “Essas obras enfrentam o problema de congestionamento que existe na BR 343, especialmente no balão do Livramento e no balão do Itararé. Então, os dois viadutos vão melhorar a circulação e, além disso, apoiar o nosso plano de mobilidade, já que os balões estão em cima dos dois Terminais de Integração do Grande Dirceu, portanto, a construção desses viadutos vai dar maior agilidade para a entrada e saída do transporte público na região do Dirceu”, afirmou.

Segundo o governador Wellington Dias, a ponte é uma continuação da BR 235 e liga as cidades de Santa Filomena (PI), a 966 km da capital piauiense, e Alto Parnaíba (MA). “Parabenizo o trabalho da nossa bancada que está sintonizada com as necessidades da capital e interior. Acredito que a ponte dará qualidade para a mobilidade urbana e desafogará o tráfego que é intenso naquela localidade. Uma obra que é fundamental para o desenvolvimento de ambos os estados”, destacou o governador, que ressaltou o empenho do ministro Tarcísio Gomes de Freitas e todo o trabalho e dedicação do DNIT.

Dê sua opinião: