A Agência de Desenvolvimento Habitacional (ADH) realiza mais uma ação de renegociação para os mutuários que estão com as prestações atrasadas nos residenciais Jacinta Andrade, Prado Júnior (Nova Teresina) e Paulo de Tarso (Mirante Santa Maria da Codipi). Na sede da ADH, as pendências estão sendo resolvidas de maneira simplificada e com atendimento individualizado.

Segundo a diretora-geral da ADH, Gilvana Gayoso, o objetivo é beneficiar as famílias que estão com as prestações em atraso. 

"A ADH não tem interesse em tomar o imóvel, estamos oferecendo todas as possibilidades de renegociação”, declara a gestora.

A diretora explica que o mutuário assinou um contrato de financiamento, que, entre outros critérios para ser beneficiado, precisava comprovar renda de um a três salários mínimos e uma das cláusulas do contrato é não atrasar as prestações.

Gilvana afirma que a agência está vendo a situação de cada um, mas reconhece que o valor da prestação da casa própria nesses empreendimento estão  bem abaixo do preço de mercado. No Residencial Jacinta Andrade, a unidade habitacional de dois quartos tem uma prestação de R$ 98 e a de três quartos é R$ 110.

Para o morador Lourival Alves Barros, a renegociação foi muito positiva. 

“A ADH está oferecendo boas condições de pagamento, não está impondo condições, estou satisfeito”, declara o mutuário.

De acordo com o setor de Cobrança da ADH, não existe um número mínimo de parcelas atrasadas para que se tenha acesso à renegociação. O técnico em manutenção Pedro Henrique Lopes, por exemplo, está com cerca de 20 prestações em atraso, mesmo assim fechou acordo para quitar seu débito. 

“Aqui o pessoal tá fazendo uma análise de cada caso, eu gostei da forma como ficou. O que não posso é perder a minha casa”, afirmou o mutuário.

A Agência de Desenvolvimento Habitacional também está realizando outras ações junto aos empreendimentos construídos pela ADH e pela antiga Cohab como a regularização fundiária e o levantamento ocupacional dos imóveis.

Dê sua opinião: