Primeiramente, fora todos! Ops! Não pode ter assunto político no grupo. Nem nada que não seja relativo ao rádio. Falo sobre o grupo de whatsapp “Eu Vim do Rádio” que, graças aos benefícios que a tecnologia nos oferece, várias gerações de radialistas piauienses e não-piauienses que fizeram rádio no Piauí estão reunidos numa grande Torre de Babel.

João Neto

Por falar em whatsapp, zap-zap ou simplesmente zap, sabia que o criador é um ucraniano que emigrou aos EUA e lá, juntamente com um norte-americano inventou o aplicativo de mensagens mais popular do planeta? Pois é, em maio de 2009, Jam Koum e Brian Acton já tinham em mãos a primeira versão, com a força do desenvolvedor russo, Igor Solomennikov. Ainda problemática, foi se aperfeiçoando até ser um sucesso mundial. E finalmente foi vendido ao Facebook, leia-se Mark Zuckerberg, em 19 de fevereiro de 2014, pela bagatela de U$ 16 bilhões.

Amadeu Campos

Números recentes, de maio deste ano, apontam que o zap já tem 1,2 bilhão de usuários. Sendo que 120 milhões estão no Brasil. Cerca de 42 bilhões de mensagens são trocadas diariamente. E estima-se que existam mais de 1 bilhão de grupos ativos no aplicativo.

Marcelo Magno

Diga lá

O ser humano nasceu para se comunicar. Faz parte de nossa natureza trocar informações e compartilhar as novidades. Desde os tratados mais sublimes e indispensáveis aos fuxicos de beira de calçada, estamos sempre em busca de socializar o que sabemos ou o que inventamos. “Quem tem boca vai a Roma”, “Quem não se comunica se trumbica”, “Quem diz o que quer, ouve o que não quer”, e outros adágios simplificam o que viemos fazer neste mundo: falar.

Guglielmo Marconi

Aí um italiano, Guglielmo Marconi, fez a primeira transmissão de rádio em 1889, através do Canal da Mancha, aproveitando a teoria das ondas eletromagnéticas do genial sérvio, Nikola Tesla. Mas há controvérsias. O padre gaúcho Roberto Landell de Moura também fazia suas experiências no mesmo setor. Testemunhas dizem que entre 1893/94, o sacerdote também fez transmissões bem-sucedidas de rádio e telégrafo. Mas, documentalmente, só em junho de 1900. Tinha que ter um brasileiro no meio dessa onda.

Nikola Tesla

A primeira transmissão pública de rádio no Brasil aconteceu há exatos 95 anos. Celebrando os 100 anos da Independência do Brasil, algumas palavras do presidente Epitácio Pessoa e um trecho da ópera de Carlos Gomes, “O Guarani” – aquela da Voz do Brasil.

Padre Roberto Landell de Moura

Zapeando

Bem, vamos encurtar a história e ir direto ao assunto que dá título a este texto. Há uma semana, o Valtervi Passos, mais conhecido como Vito Pagnini, teve a brilhante ideia de criar um grupo de zap que reunisse os dinossauros do rádio FM no Piauí. Vito convocou o Marlon Porto, que prontamente acolheu, comprou e vendeu a sacada.

Vito Pagnini

Eles nem tinham a certeza que ia crescer tanto. Modestos, criam que não vingaria. Ou se desse certo, não com a proporção que tomou. Imediatamente fui incorporado porque tenho muitos contatos e, em apenas 3 dias, conseguimos reunir mais de 100 pessoas ligadas diretamente a radiofonia mafrense em Frequência Modulada. E continua entrando gente. E saindo também.

Tem os percalços também, lógico. Imagine como os grupos de zap proliferam mensagens. Agora calcule como deve ser um grupo de radialistas, saudosos uns dos outros. Já viu papagaio tomando banho de chuva? É alegria e ‘conversê’ que não finda. O grupo funciona quase 24 horas por dia. Always On the Air. E aí, com tantos áudios gravados, arquivos magicamente salvos de vários momentos e mais fotos e mais fotos, não tem memória de smartphone que suporte.

Frederico Moura Fé, Patriota Rebêlo, Marie Mendes e parte da banda Guns Cover

Alguns já saíram por isso. Outros não suportaram o volume e a intensidade dos bate-papos sem fim. E também, sem mesuras, algumas rivalidades não superadas, diferenças e adversidades ainda não vencidas pelo tempo dificultaram o exercício da tolerância. Mas em pequeno volume. O senhor da razão, Cronos, o Titã do panteão de divindades gregas, que põe um dia após o outro, tem sido muito generoso com a grande maioria, proporcionando-nos a vivência. A mesma que forja o autoconhecimento e afina a convivência com as diferenças. Junte-se a isso a maturidade dos que conseguem perceber que tudo é muito maior que nossas vaidades. O ponto de convergência, o que nos une e torna tão coesa a amizade a ser cultivada é um primor que devemos ter gratidão. Ou não?

Radialistas também batem uma bolinha

Amplificando

O rádio FM iniciou no Piauí em 1981, através da O Dia. Investimento do grupo que nasceu por meio do visionário Coronel Miranda, que mantém o jornal de mesmo nome, o mais longevo do estado, com 66 anos completados em fevereiro. Em 1985 nascia a Poty FM, que pertenceu ao jornalista Hélder Feitosa. Também teve um jornal e rádio AM. Mas o grupo de comunicação se encerrou, deixando muitas saudades.

Matéria sobre a primeira geração da Poty FM

As duas emissoras reinaram e rivalizaram sozinhas em Teresina durante quase dez anos. Trouxeram vários dos comunicadores que estão ainda em rádio, migraram à TV ou a outras modalidades de veículos de comunicação. Entre 1989 e 1990, surgiram mais três FMs: Antena 10 (mantém a frequência arrendada a evangélicos), Cidade Verde (que se extinguiu e retornou no início deste ano com outra cara) e Mirante (que começou em Timon, mudou de nome e hoje é a Meio Norte).  

Equipe da FM A10, foto de Alcide Filho, que ilustrou matéria na Veja Nordeste

Estas 5 emissoras, até 1995, protagonizaram o que chamo de A Era de Ouro do Rádio FM em Teresina e no Piauí. Foi algo tão marcante, tão portentoso, tão prolífico em talentos, criatividade exalando por todos os poros em radiofrequência que, suponho, tão cedo acontecerá novamente. Se acontecer. Lógico que houve uma renovação. Vieram excelentes profissionais após este grande boom, mas não conseguiu juntar mais todas as peças ao mesmo tempo, no mesmo local e em perfeita sintonia.

Nivaldo Ribeiro, Zé Fortes, Leila Pinheiro, Kerly Soares e Beto Rêgo, na FM O Dia

Só na RF

O grupo tem nos dado momentos magníficos. Além de fotos do tempo que éramos adolescentes, jovens com caras de bebês, arquivos de áudio que datam a partir de 1983. Uma gravação do grande radialista Francisco Augusto, fazendo noticiário matutino na 96,3 (O Dia), nos emocionou. Aliás, o Chico Augusto é um dos que ainda não conseguimos trazer ao grupo, entre outros, que também queremos estar mais próximos. Outro traz a equipe que mandava a mensagem de fim de ano de 1988, sobre um beíssimo jingle. Tente calcular como isso toca o dedo na pista da memória afetiva/auditiva e libera o saudosismo, fazendo-nos marejar os olhos.

Frank Kawazaki e Paulo Márcio comandam a disputa de quem traz mais gravações antológicas, aumentando a audiência do grupo e fazendo palpitar o coração dos veteranos. Também oportunizando aos mais jovens reouvir aqueles que ouviram falar, alguns verdadeiras lendas. Ah, o Cláudio Fortes também já postou vários arquivos preciosos. Tem fitas e fitas K-7 (lembra disso?) lotadas de gravações, o que garante que vamos estar sempre na expectativa de alguma novidade velha. Ambos são magníficos locutores de vozes tarimbadas, graves poderosos e know-how indiscutível. Toda a demanda de arquivos que têm valor histórico são salvos numa conta no Google Drive, de fácil acesso a todos, seguros na nuvem e backup ad infinitum.

Horas e mais horas de fitas gravadas em K-7, só programação de rádio

Apesar de ser um universo mais masculino, numericamente falando, as meninas não ficam devendo em nada, seja em talento e aflorando beleza através de suas vozes fantásticas. Anety Campos, nossa rainha, está há 34 anos no ar. É um grande exemplo e um dos nossos intocáveis totens, que todo incensamento é pouco. Mas também temos Raylde Jansen (que milita também no jornalismo e assessoramento), Edna Maciel (que também é repórter de TV, apresentadora e assessora de comunicação), Vanusa Coelho (multitalentosa, desfila suas virtudes comunicativas por TV e como cerimonialista), Marie Mendes (é a voz mais procurada para áudios publicitários, timbre abençoado, gravando para todo o Brasil).

Raylde Jansen e Norma Meireles, ladeando (vou ficar devendo), essa foi no Theatro 4 de Setembro

Prosseguindo com Wilma Rocha (com passagens em várias emissoras, hoje está na Rádio Assembleia), Rosângela Véras (outro timbre carismático, com público fiel por sua voz grave e suave, hoje na Pioneira - que vai migrar para FM), Simone Castro (estreou na TV Antena 10 ainda menor de idade, esteve na FM A10, é locutora publicitária e apresentadora, atualmente no Programão – TV Clube/Globo), Nadja Cilene (agora Nadja Rodrigues, foi radialista da A10, dirige o jornalismo da TV Cidade Verde e está de volta ao rádio na FM do mesmo grupo), Mônica Kowalczuk (talento raro, com grande sensibilidade, que faz falta às ondas sonoras), Isandra Rangel (veterana que está no time da Boa FM/Sistema MN, gravadora de chamadas e spots para TV e rádio) e a nossa mestra, professora Norma Meireles (voz de veludo, que é docente de rádio da UFPB – presença sempre marcante por sua interação recheada de ponderação). Sem falar de Lena Rios e Alice Moreira, cada uma dá um volume só para elas. Neila Alves (hoje é jornalista e produtora do Sistema Meio Norte) e Adriana Rachel (que trabalha no setor administrativo também do Sistema MN), que foram telegirls da A10. Algumas saíram, mas sabemos que vão retornar. Ainda faltam chegar Alice Xisto, Mara, Shirley da A10, Shirley de Floriano, Cecília, Idria Portela, Val (ex-telegirl da A10) e tantas outras.

Anete Campos

Entre os rapazes, se for citar todos, não vai caber. Mas tem uns que não podem faltar de jeito nenhum. Kerly Soares, que foi o primeiro a falar em rádio, na O Dia, é nosso rei, do inesquecível Ligue e Se Ligue. Atualmente, apresentando programa especializado em automobilismo na TV MN, há cerca de 20 anos.

Kerly Soares, o Campeão, na FM O Dia

Aí vem Lulinha, que migrou do rádio AM, onde começou em 1979. O Zé Lula tem tantos talentos e com carreira tão longeva, quase 40 anos de radiofonia, que merece um livro só dele. Narrador de futebol, programador musical e militante da política dos trabalhadores em teleradiodifusão e tantas outras coisas. Outro que concentra a atenção, admiração e respeito de todos. Sem falar da memória incrível.

Zé Lula

Também veio da Amplitude Modulada, o multifacetado Tony Trindade. Prodígio que estreou na radiofonia aos 14 anos, mas já anunciava comícios em sua Monsenhor Gil desde os 12 anos. O precoce Itamir José de Sousa Trindade, poucos conhecem seu verdadeiro nome, foi talhado para o comando. Desde a sua mais tenra idade, gerenciou e dirigiu emissoras de rádio. Ainda menor de idade estreou em TV. Outro setor que domina. Tendo conduzido a TV Antena 10 em duas oportunidades. Atualmente é o seu diretor-executivo e comanda a audiência no horário nobre da televisão made in Piauí, com o Bancada Piauí. Mas também criou, montou e dirigiu a TV Assembleia. É publicitário. Marketeiro político-eleitoral de mão cheia, com dezenas de vitórias em seu portfólio. Escreve. É o titular deste blog (por pura modéstia, porque isso aqui é um portal de notícias). Ah, já foi Secretário de Comunicação do Estado do Piauí. Enfim, é outro que já merece um volume sobre sua trajetória até aqui, com menos de 50 anos, porque ainda vai muito longe e certamente terão outros compêndios sobre sua carreira brilhante. Daqueles que ficam em pé. Uma unanimidade entre nós. Elegante no falar e no agir. Nosso príncipe RF.

Tony Trindade apresentando telejornal na TV Pioneira, hoje TV Cidade Verde

Outro que tem o conceito elevadíssimo por suas diversas vertentes é o Francisco Alberto Rêgo, o Beto Sullivan, ou Beto Rêgo, atualmente assinando assim. Filho da atriz e radialista Ana Maria Rêgo, traz em seu DNA uma bem formatada diversidade de virtudes que o tornam um profissional fora de série, fazendo valer a máxima de que “filho de peixe, peixinho é”. No caso, peixão. Muito acima da média, com timbre grave e poderoso, mas também com suas vozes caricatas e dezenas de personagens.  Criativo ao extremo. Com um poder de improviso sempre surpreendente. Também migrou para a TV e é comandante de seu horário, na afiliada da Rede Record no Piauí, conduzindo magistralmente a audiência popular no Balanço Geral, ao meio-dia.

Se for abrir parágrafo pra cada um desses monstros sagrados, o texto vai ficar enorme. Só pra vocês, caros leitores, verem como tem histórias e mais histórias a serem contadas, repletas de êxito e talento.  Sem esquecer as divertidas, picantes e até escatológicas, que caberiam num livro de brochura extra large. Aí é que entra o projeto que me proponho em escrever e resgatar, inicialmente, o recorte estabelecido entre 1981 e 1996. 15 anos de brilhantismo fulgurante do radialismo, especialmente feito na capital piauiense.

Arnaldo Ribeiro

Tem mais

E vamos citar Arnaldo Ribeiro (outro que está na TV, claro que comandando audiência, também na TV Antena 10, mas tem uma vasta história no rádio, onde continua atuando), Amadeu Campos (atualmente no comando do programa Agora, na Rede Meio Norte, mas já foi da Poty FM, sabia?!), Nivaldo Ribeiro (outro gigante, que também é jornalista de TV e outros veículos, atualmente radicado em Fortaleza), Gil Sobreira (sempre culto e erudito, jornalista que escreve como poucos, trabalha no portal GP1), Jorge Canalito (umas das vozes mais disputadas do mercado publicitário, que grava para todo o Brasil – zombeteiro de primeira, que doou codinomes a vários, inclusive a mim, graças ao seu olhar sempre alegre e bem-humorado), Gil Balla (em FM, começou na Poty, passou por outras emissoras e hoje está sossegado na FM Clube, onde destila seu bom humor e experiência – outro grande brincalhão, tal qual o Canalito, renomeou vários colegas com codinomes criativos e inesquecíveis, só para consumo interno, of course), Nilo Gomes (que passou em diversas emissoras grandiosas do Piauí, comandou equipe de festas, hoje está em São Luiz, em rádio e como exímio sonoplasta de estúdio e locutor publicitário),  Sérgio Fernandes (carioca de nascimento, piauiense por adoção, atualmente fazendo sucesso no rádio e na TV maranhense, apresentando o Balanço Geral, da afiliada da Rede Record, em São Luiz), Magno Soares (marcou uma temporada com seu super grave na FM O Dia, atualmente está radicado em São Luiz).

Zé Pinguelo e Ronaldo de Sá

E segue com Marquinhos Silva (um dos mais populares e queridos, com passagens em várias emissoras, inclusive no Ceará), Wil Ferrari (pioneiro da Poty FM, meu primeiro mestre no radialismo, voz maravilhosa, fundador de emissoras e também administrador de Sistema de Rádios), Garelly (um gigante, com doses maciças de humor escrachado, no ar há mais de 30 anos e ainda vai muito longe), Lee Cavalcante (outro craque, inclusive do humor, com coesa intimidade com as Letras, com livro lançado e preparando outro), João Neto (apresentador da TV Clube, emissora da Rede Globo – advogado e radioamador), César Fire Filho (pioneiro, um dos timbres mais belos deste país, locutor publicitário sempre disputado, hoje comanda a equipe da FM Cidade Verde), Carlinhos Bacana (também com passagem em diversas emissoras, narrador esportivo dos bons, a cara do 'Segredos de Amor', prossegue firme e forte na radiofonia).

Shirley, Cassálio e Anchieta na A10

Otoniel Bisneto (que começou no rádio com o humor, serviu como oficial da PMPI, hoje é docente de Direito em conceituada faculdade de Teresina) Mílton Serra (que faz parte da primeira geração da FM Poty, passou por São Luiz  e hoje está radicado no Rio de Janeiro), Patriota Rebêlo (outro multifacetado, com um olhar arguto sobre mercado, marketing e administração), Ronaldo de Sá (voz de uma grave especial e também faz sucesso na TV com o seu Butiquim, pela Meio Norte) e seu inseparável companheiro Zé Pinguelo (a graça em pessoa, basta olhar que o sorriso vem a reboque), Miro Freitas (versátil comunicador, traz alegria em sua locução contagiante, com passagens em diversas rádios FM, atualmente na Antares 800).

Equipe da Mirante FM, que atualmente é a Meio Norte FM

Marcelo Magno (outra voz fantástica, também filho de peixe, jornalista e apresentador de telejornal na TV Clube/Globo), Wellington Raulino (comunicador nato de AM/FM, também mestre na TV, como repórter e apresentador, é o nosso Xerife), Magela Lima (exímio comunicador, que faz TV no Acre e ainda tem tempo de ser empresário), Luiz Fortes (que além de fazer rádio, completa o time de campeões de audiência da TV Antena 10), Yeldson Vasconcelos (craque que comanda o Bom Dia Meio Norte, na TV/Rede de mesmo nome), Chagas Botelho (que além de radialista dos melhores, escreve como poucos, sendo o melhor cronista contemporâneo de Teresina, na minha opinião), Antônio Carlos Cassálio (também passou em diversas emissoras, é locutor publicitário e hoje tem sua própria rádio, a Jockey FM).

Primeira formação da Rede Brasil Sat

Robert Veloso (que também começou na AM, passou em várias FMs de sucesso, abrilhantou equipes de festas e hoje é empresário bem-sucedido). Silas Freire (um dos maiores narradores de futebol para rádio e TV que já vi e ouvi, além de estar na TV, é suplente de deputado federal, exercendo o mandato - ainda falta chegar no grupo), Paulinho Brasil (outro timbre com grave de peito, passou por muitas emissoras, com destaque na cabeça da Rede Brasil Sat), Nílson Ferreira (o DJ Momo, da Rádio Alvorada de Floriano, também é repórter e apresentador), Anchieta Cardoso (com passagens em diversas emissoras, atualmente na FM Assembleia e FM Cultura – também será bem-vindo ao grupo), Josean Araújo (que estreou na Mirante FM, atualmente é locutor publicitário, editor de imagens em agência de publicidade, sonoplasta e programador musical na FM Assembleia – quase um Bombril, mil e uma utilidades), Sérgio Bandeira (que passou pela FM Antena 10 e O Dia, salvo engano, e fundou sua própria emissora comunitária, a Dirceu FM, que marcou época), Rogério Ribeiro (que iniciou em São João do Piauí, passou em rádio comunitária na capital e hoje está na Meio Norte FM, onde comanda o Garapa, que é transmitido em sinal aberto e fechado de TV), Dirceu Andrade (o Dick Sena da FM Cidade de Piripiri, foi operador de áudio na FM O Dia, é jornalista e humorista de sucesso nacional).

Robert Veloso, na Brasil Sat

Juventude

Entre a rapaziada da Jovem Guarda, cite-se Jean Nunes (que está emprestando seu sucesso ao Ceará, mas saiu com carreira consolidada daqui), Júnior Albuquerque (com passagem em várias emissoras, hoje é apresentador da TV Mirante, afiliada da Rede Globo em São Luiz), Antônio Vitório (outra voz poderosa, domina os intervalos comerciais de rádio e TV com seu timbre estampando spots e VTs), Abraão Silva (voz poderosíssima, com grave aveludado, iniciou no rádio em FM comunitária, passou por várias emissoras de renome e hoje está no time da FM Cidade Verde, também é locutor publicitário, com grande busca para vinhetas e chamadas), Diego Gomes (jovem, mas já experiente comunicador – talentoso o suficiente para estar em qualquer rádio do país), Eduardo Callegary (com vivência em várias rádios no Piauí e Ceará, também atua na locução publicitária), Sérgio Holom (filho de Sérgio Fernandes, honra com maestria sua descendência, é locutor publicitário e um dos apresentadores de merchandising para TV mais procurados do momento).

Rapaziada da 94 FM

Não menos importantes

Ainda no grupão, outros que não conheço tão bem, mas por culpa inteiramente minha, sinal de que devo estudar a pesquisar com mais intensidade: Leonardo Frota, Kleyton Barros, André Braga, Kleyton Correia, Dan Noletto, Vadílson Barros, Felix Batista, James Almeida, Natan Ferresi, Daiton Meireles, Valdeci Rodrigues, Thiago Luís, Karlos Alberto, Agamenon e ainda aguardamos a chegada de Roberval Leite, George Benvindo, Luís Filho (programador de várias emissoras – o ‘spicially’, querido de todos pela sua verve humorísitica), André Luiz (outro programador dos gigantes, músico e pesquisador da música mundial), Netinho (que foi programador da primeira geração da FM Cidade Verde e hoje está na FM Cultura).

César Fire e Diego Gomes, registro recente na FM Cidade Verde

DJ’s

O rádio é uma grande construção coletiva. Entre os esteios, os sonoplastas, que fazem brilhar com suas vinhetas, chamadas, aberturas e comerciais bem elaborados, complementando a edificação de qualquer rádio de sucesso. Aí entra o Edílson Melo, um gigante, um às nos tempos em que todo o equipamento era analógico. Não era moleza montar um spot. Tudo era feito simultaneamente. Botava-se o gravador de rolo no rec, abria-se o microfone e soltava-se o bg no toca-discos ao mesmo tempo, o locutor tinha que mandar ver de uma vez e encerrar no prazo de 30” (trinta segundos – tempo padrão de um comercial). Imagine a regulagem de altura de cada um dos componentes desta salada?

Edílson Melo e Alexandre Federal

O titânico Edílson era mestre nisso há mais de 30 anos. Com ele fiz meu primeiro teste na Poty FM, em fevereiro de 1986, um imberbe adolescente de 16 anos, que menos de um mês depois já estava no ar. Digo e repito: muita sorte! Mestre é mestre. Melo fez a transição para a tecnologia dos dias de hoje e mantém-se em forma na Rádio Pioneira. É um dos que figuram entre os mais queridos. Sua característica voz rouca está na memória dos veteranos.

Kerly, Canalito, DJ Fábio e Renato Padrão

Alexandre Federal, da O Dia, do antológico Balanço 96, da Matrinchan e de tantos outras emissoras e boates, trouxe ao métier muitos outros, como o Renato Padrão, que hoje está em Portugal. Alexandre é outro grande mestre dos bastidores e referendado por todos, catalisa nosso afeto e admiração.

Marlon Porto com Wagner Portela, em São Paulo

Marlon Porto de Almeida, a quem chamo carinhosamente de ‘spicha’, tem um ouvido absoluto no meio radiofônico e de estúdios refinados, a ponto de se manter no exigente mercado de São Paulo, como masterizador. Função que equivale a um doutorado neste circuito onde pouquíssimos trafegam. Além de excelente DJ de casas noturnas, escreveu sua história com letras douradas na FM Antena 10, sendo um dos pilares responsáveis pelo sucesso estrondoso da emissora. Atualmente está envolvido na montagem de sua radio web. The Guardian vem aí com a sua assinatura super exigente, tocando o melhor da black music.

Paulo Márcio, Gérson Fox, Marcelo Dantas e Frank Kawazaki

Gérson Fox, Sandro Moura, João Batista Alves (o BJ), Cildo Carvalho, Alex Galvão, DJ Fábio MMD, Cláudio Fortes, Gérson Moreno, Aílton Moura, Doripan (outro prodígio que começou criança) fecham essa constelação de craques que trabalham quase sempre solitariamente, entre quatro paredes revestidas de isolamento acústico e transbordando refinamento em suas produções, que além de empolgar os ouvintes, fazem nossas lembranças mais saborosas.

Gérson Fox, Jorge Canalito e Eduardo Callegary

Peço vênia especial ao Sérgio Donato, que é um fantástico DJ e sonoplasta ímpar. Mas ele foi além. Mergulhou no universo do estudo e pesquisa, graduando-se em Desenho de Som. Também iniciou precocemente, pré-adolescente, e conduziu administrativamente e artisticamente várias emissoras. Um geniozinho, cria de todos os outros citados. Nosso eterno mascote.

Sérgio Donato com sua filhinha Olívia

Uma saudação ao grande Lima, que foi fundamental à evolução de um monte de rádios do Ceará e Piauí. Também nos fez ver como poderíamos gerenciar com mais profissionalismo e ganhar uma boa, justa e honesta grana com todo o nosso esforço. In memoriam.

Equipe da FM O Dia com a banda Information Society

Pedimos as good vibes, orações e positivas energias irradiadas em prol do mestre Ronaldo Bringel, ainda em recuperação de alguns perrengues. Também muito amado por todos. Cantor, compositor e locutor maravilhoso. Nosso eterno New Look.

Ronaldo Bringel

Texto

Por trás de uma chamada daquelas porretas, sempre teve alguém que a rascunhou, escreveu e reescreveu, quebrou a cabeça tentando encontrar algo bacana. Muitas vezes, era uma criação coletiva. Às vezes de muitos. Outras de dois ou três. Também sendo de apenas um. Destaco o Mauro Roberto, hoje advogado, como um dos grandes craques nesta área. Responsável por textos que batemos palmas ainda hoje, mas esquecemos de lhe agradecer. Grato, Maurão!

Mauro Roberto, o cara dos textos

Visionário

Tem uma pessoa que também tem que ser destacada. O José Elias Tajra Júnior, o nosso Zezão, foi um cara que acreditou, investiu e bancou um momento único da relação empresa/trabalhador. Na FM Antena 10, deu-nos todos os recursos e a liberdade para criar à vontade. Enquanto durou esta relação, muitos momentos inesquecíveis ficaram marcados e consagrados. Mais do que um patrão, ele se envolvia diretamente, ligado 24 horas por dia, pensando e promovendo formas de nos dar maior sustentação. Nunca mais vi algo assim. Nem parecido. Gratidão, Zé!

Jota Patrão ou JET Júnior - tudo junto e misturadoi

Conselho

Brinco no grupo, exercendo uma missão um tanto quanto espinhosa, a de moderador, que temos um Conselho RF. Neste conselho, um membro vitalício em especial deferência. Nosso decano Gilvan Pinheiro, que está em toda a história da maioria dos que foram citados aqui. Desde o comecinho. Conduzindo a carreira desta garotada que mal tinha deixado os calções.

Gilvan Pinheiro

Um misto de reserva moral, tio conselheiro, pai disciplinador, mestre orientador, extremo conhecimento musical, refinadíssimo, com memória aguda dos fatos na precisão das datas.  Uma enciclopédia sempre disposta a dirimir dúvidas. Até quando é ranzinza ganha um charme que o torna amálgama a unir elementos de constituições tão diversas. Ave, ‘Gelvan'!

Will Ferrari (Willame Ferreira)

Não tem conselho coisa nenhuma. Mas bem que a gente poderia outorgá-lo ao Pinheiro, que também ama e conhece profundamente a aviação. Ou seja, tem que pilotar.

Sérgio Fernandes

Sem esquecer

Frederico Moura Fé, um caso à parte. Programador musical extraordinário. Mas quando se fala de rock, aí a gente tem que consultar o velho Fred, que conhece tudo em nível local, nacional, mundial e até sideral, eu é que não duvido. Além de ser o cara que mais deve ter assistido shows de todas as grandes bandas mundiais do segmento que ele ama. E muitos de nós também. E mantém seu programa Rádio Rock desde a década de 90, migrando por várias emissoras, mas sempre no ar. Atualmente na Jockey FM.

Frederico Moura Fé e Casagrande

Memória de elefante

No grupo, temos uma memória viva e ululante, quase onipresente, divertido, com lembraças de fazer inveja aos paquidermes. Embora, fisicamente, esteja mais para um suricato - mal comparando, mas com todo o carinho. Elétrico, inquieto, insone, porém, lembra de detalhes que deixa a todos estupefatos. Nosso Cláudio Alencar é outra figuraça que reveste de grandeza este dream team e vai reforçando e alinhavando os espaços, ligando os pontos para solidificar a história que tanto amamos.

Cláudio Alencar

Ilustres

Ainda temos no grupo o professor Jessé Barbosa, da ComRadio, outro grande mestre. O Humberto Coelho, que comanda a TV e Rádio Antares. O Chiquinho, que montou rádios que jé deve ter perdido as contas. O Chico Neto, que é o cara das pedras – no melhor dos sentidos, as extras do reggae. Manoel Eduardo está no grupo, dinossauro que começou em 1981, como operador de áudio, mas manda bem em diversas profissões no backstage de rádio e TV. Também contamos com a presença do Pompeu Som, o cara que mais realizou festas de rádios. Zé Maria, o cara que nos vendia na FM O Dia. E falta tanta gente ainda. Cadê o Walter? Ou melhor, Bob Robinson. Se você que veio do rádio, esteve ou está em rádio FM no Piauí, venha engrossar fileiras neste grande exército de comunicadores. Mantenha contato com alguém que esteja no grupo e solicite adicionamento. Será muito bem-vindx.

Josean Araújo e Bob Robinson, na FM Assembleia

Finalmente

Os saudosistas dizem que o rádio não é mais o mesmo, que nunca mais será como era antes, que a força pode ter desvanecido, enfim, sobram teses para responder o momento que não parece tão mágico como já fora um dia.

Júnior Albuquerque

Eu também não sei a resposta. Entretanto, arrisco dizer que houve um tempo onde todos estes astros estiveram alinhados, numa grande confluência de forças poderosas, que inocentemente fizeram algo grandioso sem se dar conta.

Dupla dinâmica: Vanusa Coelho e DJ Sandro - que comandou os pick-ups da boate Aquarius

Hoje, com o distanciamento crítico promovido pelo tempo, podemos vislumbrar que realmente algo quase metafísico estivera atuando naquele período formidável. Algo meio maktub!

E não tenho certeza se as dificuldades impostas pelo rigor das limitações técnicas fizeram efervescer a criatividade, visando superar os desafios. Também tenho dúvidas se a tecnologia de ponta e acessível dos dias de hoje possa ter-nos deixado um pouco indolentes.

Nilo Gomes e a atriz Marisa Orth

Realmente não sei. E na verdade, não importa. Vamos desencanar dessa busca. Mas de uma coisa eu tenho certeza e creio que meus/minhas queridxs amigxs, irmãs/irmãos e colegas podem concordar, o grande encontro promovido pelo grupo Eu Vim do Rádio parece reconectar tudo novamente.

Magela Lima, em registro recente

Misteriosamente, a gente se motiva, se empolga, acho que traz de volta aquela alegria pura da juventude, que é eterna, quando a gente sabe sintonizá-la. Será?

Nílson Ferreira, jornalista, radialista e o DJ Momo

E tu?

E eu? Bem, eu, com cerca de 1,90 m e pesando mais de 100 quilos, talvez seja o maior locutor do Piauí. Nadica. Vocês é que são grandes. Eu só tenho tamanho.  Hoje mesmo, falando com um amado-irmão, refletíamos como é difícil ser humilde. Verdadeiramente. Sem fingimento. Nada pré-formatado. Com absoluta autenticidade, quase impossível. Que tal a gente tentar ser mais vigilante com a vaidade excessiva? Já é um bom começo, né não?! 

Eu e Eduardo Ferraz entrevistando o lendário Belchior para a FM Cultura

Este texto não tem a menor pretensão de esgotar nenhum assunto. Vou encerrando com a certeza que é apenas um pequeno preâmbulo, onde falta muita coisa, que peço ajuda para complementar e corrigir, honestamente. 

Eu, Zé Lula, Tony Trindade e Arnaldo Ribeiro - Potyzeiros raiz

Falta só agradecer a uma turma. Que são a razão de tudo isso. Sem eles, a gente nunca teria sido nada. Deus, sim, também. Sempre. Mas lembro dos ouvintes. Tudo que fazemos, no final, é pra vocês. Muitíssimo obrigado!


* Willian Tito é jornalista, publicitário e veio do rádio.

Dê sua opinião:


folder_openMais conteúdo sobre