A Corregedoria Geral de Justiça do Piauí promoveu na manhã desta quinta-feira, 02, na Câmara Municipal de Picos, uma audiência pública sobre Regularização Fundiária, tema bastante sensível na região, uma vez que muitas pessoas possuem terras, mas não tem a escritura. Além do corregedor, desembargador Hilo de Almeida, dezenas de autoridades participaram do evento.

Marcaram presença o prefeito de Picos, Pe. Walmir Lima, o prefeito de Monsenhor Hipólito, Zenon Bezerra, o prefeito de Itainópolis, Paulo Lopes, o prefeito de Dom Expedito, Walmir Barbosa, e os vereadores Hugo Victor (MDB), Antônio Afonso (PP), Wellington Dantas (PT), Antônio Moura (PC do B) e Simão Carvalho (PSD).

Segundo o consultor do Bando Mundial (BIRD) junto a Corregedoria Geral de Justiça do Piauí, Richardy Torsiano, a regularização fundiária representa a possibilidade de valorização de imóveis e terras, uma vez que no Nordeste e no Piauí, muitas pessoas não possuem as escrituras dos seus imóveis. “Infelizmente esse problema assola cerca de 80% das ocupações urbanas no Piauí e no Nordeste”, explicou.

A partir do momento que os imóveis forem regularizados, será possível a realização de mais políticas públicas para a população, como pavimentação e o saneamento básico de ruas, além de dar a garantia para as pessoas que elas são de fato donas dos imóveis.

O desembargador Hilo de Almeida declarou que a audiência pública representou um espaço para a discussão da regularização fundiária, problema secular que afeta o Piauí. “Felizmente as autoridades começaram a entender que não dava mais para empurrar com a barriga esse problema e entenderam como necessário o esforço”, frisou.

Picos foi a quinta cidade do Piauí a receber a audiência pública sobre Regularização Fundiária, que deve acontecer em mais polos do estado.


Via Folha Atual.

Dê sua opinião: